quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Programação Incondicional IV

O null é uma fonte interminável de ifs. Uma maneira de eliminá-los é simplesmente não usar nulls, mas isso exige muita disciplina e não é prático para aplicar a código legado.

Por outro lado, algumas formas de codificar ajudam a simplificar o código e a torná-lo mais legível. Nos laços, por exemplo, é comum ter que testar se uma referência é nula:

if(a!=null) {
 for(int i=0; i<a.length; i++) {
  System.out.println(a[i]);
 }
}

Basta tirar o if e incluir a condição no for:

for(int i=0; a!=null && i<a.length; i++) {
 System.out.println(a[i]);
}

Se estou usando descendentes de List, costumo criar uma subclasse (esse truque aprendi com um programador de C#) e nela coloco uma instância estática vazia (e aproveito para criar um array vazio também):

public class PessoaList extends ArrayList<Pessoa> {
 public static final PessoaList EMPTY_LIST=
   Collections.unmodifiableList(new PessoaList(0));
 public static final Pessoa[] EMPTY_ARRAY=new Pessoa[0];
}

Com isso, cada método que retornar uma lista vazia de Pessoa pode usar uma dessas referências. Não economiza muita memória, mas economiza ifs e tempo do coletor de lixo.

2 comentários:

Marcus Aurelius disse...

NULLs são um saco.

Parece que PL/SQL é ainda pior (não conheço muito). Comparações com NULL só funcionam com o operador "is". Outros operadores, só retornam bobagem (acho que retornam sempre false)


if 'a' <> null then
dbms_output.put_line('diferente');
else
dbms_output.put_line('igual');
end if;

Sai 'igual' :-(

E considerando que o Oracle considera null e '' como a mesma coisa, 'a' <> '' retorna false!

Coisa de louco!

forinti disse...

De fato, PL/SQL adiciona mais complicações ao NULL. Por isso algumas pessoas criam um registro em cada tabela para ser o nulo e depois só precisam usar inner join. Também se economizam uns bits, porque as colunas com NULL precisam de um bit para indicar se o valor é nulo ou não.