domingo, 11 de julho de 2010

Marxismo no TI

Há uma tentativa recorrente de implementar uma espécie de comunismo tecnológico nos departamentos de TI. Muitas vezes ouvi dizer que seria melhor ter todos os sistemas implementados numa única linguaguem ou tecnologia.

Pois, eu digo que compreenderam mal o marxismo! Karl Marx disse:

De cada um, de acordo com suas habilidades,
a cada um, de acordo com suas necessidades.


Portanto, só posso concluir que um verdadeiro socialista deve procurar a ferramenta certa para cada trabalho. Ademais, não deve perder de vista o momento histórico; as escolhas do passado devem ser vistas à luz das circunstâncias.

2 comentários:

Anônimo disse...

Cumpanheiro, não devemos perder de vista os benefícios da padronização, do fordismo.
Se pudermos padronizar ao máximo em cima de uma plataforma poderosa, vamos poder produzir mais e melhor.
Vamos reciclar a experiência e o treinamento do programalista, que me parece a modalidade de reaproveitamento que economiza a matéria prima mais cara.
Daí que adoro padrões.
Claro, a especialização e o uso da "ferramenta certa para o problema certo" anda junto com a divisão e organização do trabalho.
Então tens razão, claro, apesar dessa ponderação.

Karl Heinz Benz disse...

Não sou gabaritado para discutir marxismo, mas a porcaria do livo do Taylor eu li de cabo a rabo quando fiz o Mestrado em Administração (aliás, uma curiosa Ciência, uma Ciência sem Teoria). Sério, este negócio de tempos e movimentos é muito bom para motores, alavancas, engrenagens, porcas e arruelas, mas sujeitar PESSOAS à tirania taylorista é pior do que o stalinismo. Aliás, a mais contundente crítica a este atavismo ante-diluviano é do Charles Chaplin (filme Tempos Modernos, 1936). Ou seja, antes da II Guerra Mundial isto já era considerado um atraso.