quarta-feira, 23 de junho de 2010

Estamos nos libertando do hábito que tínhamos de explicar tudo

Na fria manhã de segunda-feira passei por um tapume que havia sido decorado com as palavras do título. Não costumo dar atenção a essas filosofias pontuais, mas tomei gosto por essa frase.

Deve ser por causa dos livros que tenho lido: Incompletude (sobre o trabalho de Gödel) e Metamat (de Chaitin). E hoje é o nonagésimo oitavo aniversário de Turing.

O autor dessa intervenção urbana deve ser um matemático rebelde. Na próxima, sugiro que ele escreva o seguinte:

Certas coisas nunca saberemos

3 comentários:

Anônimo disse...

O impulsiona a inovação e a pesquisa ?

Ane Callegaro disse...

Nessa mesma linha, eu sempre falo: Tudo tem explicação, só que essa explicação pode estar muito além da nossa capacidade de entendimento hoje.

Karl Heinz Benz disse...

O velho Tim Maia tinha uma frase excelente para definir o assunto: "tudo é tudo, nada é nada" E eu acrescentaria, humlidemente: "e o resto é o resto".