quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Truques com calculadoras

Um amigo de infância poucos dias lembrou de "quantas tardes jogando Elite nessa calculadora" passamos. A tal calculadora podia fazer, na melhor das hipóteses, uma adição de 8 bits em 2 ciclos (e em 6 na pior). Rodando a 2MHz, era possível, no máximo, 1 milhão de somas por segundo. Isto se o computador não tivesse mais nada para fazer.

Os computadores hoje estão nos gigahertz e agora os truques ficaram mais interessantes. Mesmo assim, o mecanismo básico é o mesmo: pegar um número, executar uma operação muito simples e guardar o resultado.

A primeira calculadora foi inventada por Pascal. O pai dele era coletor de impostos e o incumbiu de resolver uma papelada infindável. Para diminuir a carga e evitar que o tédio se prolongasse, ele inventou um aparelho mecânico que somava e subtraía. O primeiro processador foi inventado pela Intel para simplificar e baratear o projeto de uma calculadora e é, em essência, uma pequena calculadora programável.

Camadas e camadas de abstração mais tarde e temos comunicações, internet, som, vídeo e jogos rodando em cima de calculadoras. Calculadoras muito rápidas, mas calculadoras mesmo assim.

Por isso, não sei se o melhor nome para o curso seria Ciências da Computação. Nas outras ciências, as pessoas partem da observação da complexidade do mundo e tentam encontrar os princípios subjacentes. Na Computação, partimos de princípios básicos muito simples e rígidos e tentamos criar a maior complexidade possível. Acho que o curso deveria chamar-se Arte da Computação ou
Mágica com Números ou Truques com Calculadoras.

2 comentários:

Karl Heinz Benz disse...

Pois aí concordo contigo, meu caro 'FORINTI'. Não existe TEORIA por trás da computação, e nenhuma ciência pode viver sem teoria. É apenas um conjunto (disjunto? às vezes vazio?) de boas(?) práticas. Tudo se resume a aprender a fazer um 'SELECTão', empilhar aqueles inviáveis objetos de java e alguns truquezinhos em javascript ou nos seus atuais substitutuos. Neca de ciência, neca de teoria. Chamar este curso de 'Ciência da Computação' não passa de falcatrua!

forinti disse...

Alto lá! Tem a teoria da computabilidade, teoria dos conjuntos, a metamatemática, a matemática discreta, a lógica e até o teorema da incompletude. Tudo isso é parte do que se chama "Ciências da Computação". E tudo isso têm pouca ou nenhuma importância no dia-a-dia, claro.